Noticias

logo ILGA

Notícias: Nacionais

Homossexuais querem ser pais mas barreiras existentes reduzem plano de intenções
2017-03-03
dnoticias
Lésbicas, gays e bissexuais (LGB) têm o mesmo desejo que heterossexuais de serem pais, mas as barreiras sociais e estruturais diminuem as intenções de avançarem com um projecto de parentalidade, conclui estudo apresentado ontem em Coimbra.
 
Os resultados preliminares de um inquérito realizado a cerca de 500 pessoas (metade heterossexuais e metade LGB) demonstram que “não há diferenças assinaláveis” entre os desejos parentais de pessoas LGB e pessoas heterossexuais, disse à agência Lusa Jorge Gato, investigador que realiza um pós-doutoramento sobre “parentalidade prospetiva” em lésbicas, gays e bissexuais na Faculdade de Psicologia da Universidade do Porto.
 
Apesar de “todos desejarem ter filhos, verifica-se que as pessoas heterossexuais têm mais intenções de ter filhos, de concretizar o projecto”, explanou o responsável pelo estudo.
 
“As pessoas heterossexuais têm mais intenções e pretendem mais serem pais porque para elas é mais fácil”, sublinhou Jorge Gato, acrescentando ainda que dentro das pessoas LGB, as lésbicas “têm mais intenções de ter filhos”.
 
Segundo o investigador, tal constatação deve-se às “muitas barreiras quer sociais quer estruturais” que os homens ainda têm de enfrentar.
 
Para além de a parentalidade ainda ser vista “como algo feminino”, os casais de homens que queiram ser pais encontram maiores dificuldades em concretizar o projecto.
 
“A gestação de substituição não está disponível em Portugal. Já as mulheres, à partida, têm a possibilidade de engravidar”, notou, considerando que se torna “mais difícil” para casais de homens “concretizarem um projecto parental”, apesar de também estes terem manifestado no inquérito “esse desejo”.
 
O inquérito revela ainda que as pessoas LGB “não antecipam ter menos suporte social” quando olham para a parentalidade, mas prevêem que “vão ser mais estigmatizados como pais e mães em relação aos heterossexuais”.
 
Esta antecipação de estigmatização surge porque estas pessoas “têm noção de que vivem num contexto ainda um pouco discriminatório”.
 
“É uma visão realista do contexto onde vivem e não é por isso que desejam menos ou pretendem menos ter filhos”, disse Jorge Gato.
 
O investigador participou ontem numa das sessões da Conferência Internacional “Queering Parenting”, que decorre em Coimbra até sexta-feira.
 
A idade média dos participantes no inquérito é de 29 anos e “a maioria” tem formação superior.
 
O inquérito foi realizado no âmbito do pós-doutoramento do investigador, intitulado “Parentalidade Prospetiva em Pessoas LGB - Determinantes Psicológicos e Contextuais”, um projecto financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e que conta também com recolha de dados em Inglaterra e Espanha.
 
In Diário de Notícias da Madeira, 3 de março de 2017
 
logotipo do facebook logotipo do twitter logotipo do delicious
PESQUISAR NOTÍCIAS
NOTÍCIAS
2018
Janeiro
2017
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2016
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2015
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2014
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2013
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2012
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2011
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2010
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2009
Novembro
Setembro
Agosto
Julho
2006
Julho
Junho
Contacto e Sugestões | Avisos Legais | English