Noticias

logo ILGA

Notícias: Nacionais

comunicado: Duas mães são duas mães.
2011-11-21
famílias devem ter todas os mesmo direitos
É urgente rever a lei da PMA e garantir a igual proteção das crianças filhas de casais do mesmo sexo
 
Foi hoje tornada pública a iniciativa legislativa do Bloco de Esquerda para alterar a lei que regula as técnicas de procriação medicamente assistida.

 

A ILGA Portugal reivindica há muito a alteração desta lei. Em 2005, tivemos oportunidade de criticar a exclusão de casais de mulheres de todos os projetos apresentados e em 2006 pedimos inclusivamente, sem sucesso, ao atual Presidente da República a remissão da lei aprovada pela Assembleia da República para o Tribunal Constitucional. Estava então em causa a exclusão de mulheres solteiras e de casais de mulheres a técnicas que eram apresentadas como um recurso de saúde, violando, no nosso entender, a proteção constitucional do direito à saúde, conjugada com o princípio da igualdade e proibição da discriminação em função da orientação sexual e ainda com o direito universal a constituir família. Recentemente acompanhámos aliás um caso de discriminação na Maternidade Alfredo da Costa em que terá sido questionada a necessidade de garantia de fertilidade para uma mulher lésbica. 
 
E temos também vindo a criticar sistematicamente a restrição do uso destas técnicas a situações de infertilidade, tendo chamado repetidamente a atenção nomeadamente para a lei espanhola: no país vizinho, desde 1988 que estas técnicas estão disponíveis para qualquer mulher maior, em bom estado de saúde psico-física, que, uma vez tendo sido prévia e devidamente informada, aceite recorrer à PMA de forma livre e consciente. 
Desde 2006, muitas lésbicas recorreram aliás a Espanha para terem acesso a técnicas de PMA - sendo que, em todo o caso, este recurso depende de condições económicas que não existem para todos os casais de mulheres.
 
Porém, mesmo estes casais enfrentam depois a crueldade do Estado português que continua a recusar às crianças filhas de casais de lésbicas o reconhecimento legal das duas mães, com implicações aos mais diversos níveis: no âmbito da saúde, da educação ou até em caso de eventual morte da única mãe legal. Precisamos por isso de uma lei que garanta o acesso à PMA para todas as mulheres e que estenda também a presunção de maternidade à segunda mãe, caso se trate de um casal de mulheres, garantindo finalmente uma proteção igual para todas as crianças. Sendo a presunção de paternidade - já prevista na atual lei portuguesa - completamente independente de qualquer vínculo biológico, não estender a presunção de maternidade à segunda mãe é uma discriminação evidente, com consequências sobretudo para a segurança das crianças. Não compreendemos, por isso, a posição do Bloco de Esquerda que simultaneamente afirma querer eliminar a discriminação com base na orientação sexual e não estabelece a presunção de maternidade para a segunda mãe, num casal de mulheres (casadas ou em união de facto).
Relembramos que a atual lei da identidade de género, aprovada por todos os partidos da esquerda parlamentar e por elementos do PSD, já prevê a possibilidade de reconhecimento oficial de duas mães legais ou de dois pais legais, pelo que a lei portuguesa já admite esta possibilidade. 
 
Aliás, também a maternidade de substituição, que é uma realidade em vários países, é uma solução à qual têm recorrido vários casais de homens em Portugal - mas que enfrentam subsequentemente, e uma vez mais, a desproteção que o Estado impõe às suas crianças. É assim fundamental frisar, na revisão da PMA, que um projeto parental é independente da orientação sexual e que todos os casais casados ou unidos de facto têm a mesma necessidade de ver garantida às suas crianças a segurança do seu vínculo familiar. 
 
Apoiamos, portanto, os princípios subjacentes ao projeto do Bloco de Esquerda, congratulando o BE pela revisão da sua posição nalgumas matérias mas rejeitando a sua concretização no que diz respeito à situação de exclusão e de insegurança que o projeto do BE continua a impor a algumas crianças filhas de casais do mesmo sexo. Temos vindo a alertar os demais partidos no mesmo sentido e esperamos assim que seja possível a curto prazo ter uma lei que respeite todos os projetos parentais de pessoas e casais que pretendem ver a sua família alargada através do recurso a técnicas de PMA, com o reconhecimento legal da família de cada criança. 
 
No que diz respeito a esta legislação, está em causa o direito à saúde mas também o direito a um projeto familiar - e está em causa o valor da igualdade conjugado com a proteção do interesse superior de crianças concretas. Apelamos portanto aos partidos representados no Parlamento para que contribuam para assegurar estes direitos e valores, que são de todas e todos nós.

 

Lisboa, 21 de Novembro de 2011


A Direção da Associação ILGA Portugal

 
logotipo do facebook logotipo do twitter logotipo do delicious
PESQUISAR NOTÍCIAS
NOTÍCIAS
2017
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2016
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2015
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2014
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2013
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2012
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2011
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2010
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2009
Novembro
Setembro
Agosto
Julho
2006
Julho
Junho
Contacto e Sugestões | Avisos Legais | English