Estudos a Decorrer

logo ILGA

Divulgamos aqui estudos académicos relacionados com a temática LGBT.

Veja se pode colaborar

Aspetos das Relações Amorosas em Jovens Adultos homossexuais e heterossexuais

Olá! o meu nome é Paulo Nascimento sou aluno do ISPA - IU e estou a realizar a minha tese de mestrado que objetiva estudar "Os Diversos Aspetos Das Relações Amorosas em Jovens Adultos homossexuais e heterossexuais"  supervisionado pela professora doutora Maria Gouveia-Pereira. Convido-o(a) a preencher os seguintes questionários. As suas respostas são anónimas e confidenciais. Desde já um obrigado pela sua colaboração.

Poderá participar através do link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSe-tKisVYltv65MjM_OaDTC-3wBRszluCOtT-OgN1-qGFV7kg/viewform?fbzx=-3056292262067832000
 

 

 

(inserido em Janeiro de 2017)

Escala de Satisfação Sexual Feminina

O presente estudo consiste num questionário online de forma a se validar o The Sexual Satisfaction Scale for Woman para a população feminina portuguesa. O questionário está em português e irá permitir uma maior compreensão acerca da satisfação sexual feminina. O estudo ocorre no âmbito da dissertação de Mestrado em Psicologia Aplicada na Universidade do Minho da aluna Adriana Correia. É solicitada a participação de mulheres de nacionalidade portuguesa, com idade superior a 18 anos de idade, que sejam sexualmente ativas, e estejam numa relação há pelo menos 6 meses.


O questionário tem uma duração de aproximadamente 7-10 minutos e se possível deve ser respondido quando a participante estiver sozinha; apresenta questões de cariz sexual, onde a pessoa pode interromper se assim o desejar e onde o anonimato é assegurado.

Para participar basta aceder ao link: https://goo.gl/forms/oqHZyCWxm7trxl7j2. Desde já agradeço a colaboração.

 

(inserido em Janeiro 2017)

Investigação em Comportamento Humano e Biomedicina

Precisava da vossa colaboração para o meu projeto de investigação final do meu Mestrado em Psicologia Clínica, da Universidade da Beira Interior.
O tema é Investigação em Comportamento Humano e Biomedicina, e uma das variáveis que vou trabalhar é a orientação sexual, principalmente, LGB. As pessoas com orientação heterossexual podem e devem responder ao inquérito, no entanto, o que eu procuro são pessoas com orientação LGB.
O inquérito é confidencial e as informações servem apenas para tratamento estatístico e, quem sabe, publicação dos mesmos. Agradeço a vossa colaboração. Para alguma informação, podem contatar-me pelo email: cpdmonteiro.92@hotmail.com

E se puderem, partilhem. Muito Obrigado.

Link

 

 

(inserido em janeiro de 2017)

Representações Sociais da Violência entre Parceiros Íntimos

O meu nome é Stefanie Gomes Matos e estou a realizar a minha Dissertação de Mestrado “Representações Sociais da Violência entre Parceiros Íntimos”, em Psicologia Clínica, na Universidade de Coimbra. Uma vez que a maioria dos trabalhos que vi sobre este assunto apenas incluem as relações entre pessoas de sexos opostos, penso que seria importante considerar todo o tipo de relações. O objectivo é compreender se existem diferenças nas causas, na atribuição de factores de manutenção ou nas estratégias de resolução da violência entre parceiros íntimos.

Assim, venho por este meio pedir a vossa ajuda e colaboração para a divulgação deste questionário, de forma a obter o máximo de respostas e atingir o meu objetivo. Solicito também a vossa participação no preenchimento deste, pois toda a ajuda é bem vinda.

Deixo em baixo o link do questionário:

https://apps.fpce.uc.pt/limesurvey/index.php/633557?lang=pt

Atenciosamente, 

Stefanie Gomes Matos

 



(inserido em Dezembro de 2016)

Discrepância de desejo sexual em homens

Está a decorrer um estudo online sobre discrepância de desejo sexual em homens, no âmbito da dissertação de Mestrado Integrado em Psicologia (Universidade do Minho) do aluno Tiago Pereira. Para participar basta ter mais de 18 anos, ser homem e estar numa relação monogâmica (independentemente da orientação sexual).

O questionário é muito breve e tem a duração de cerca de 5 minutos. Para participar basta aceder ao link:https://goo.gl/forms/Urq4EtYPiJtCI8am1. Desde já agradeço a sua colaboração.

 

(inserido em Outubro de 2016)

Conhecimentos, atitudes e comportamentos face ao VIH em Portugal

Conhecimentos, atitudes e comportamentos face ao VIH em Portugal: Contributo para os estudos de validação da Escala de Risco Percebido de Infeção por VIH


Tem mais de 18 anos? Então, este estudo é para si!

Apesar dos progressos verificados nos últimos anos, Portugal tem uma das taxas de infeção por VIH mais elevadas na Europa. É urgente o combate à infeção, tornando-se, assim, essencial a compreensão sobre os fatores individuais e interpessoais associados ao conhecimento, atitudes e perceção de risco de infeção por VIH.

Quais são os objetivos do estudo?
Avaliar o risco percebido pela população portuguesa, em geral, de infeção por VIH, contribuindo, deste modo, para os estudos de validação da Escala de Risco Percebido de Infeção por VIH, bem como identificar e compreender os fatores individuais e interpessoais associados ao conhecimento, atitudes e perceção de risco de infeção por VIH.

Quem pode participar?
-    Homens e mulheres;
-    Idade igual ou superior a 18 anos.

Como participar?
 A sua participação é voluntária. Apenas será necessário responder a um breve inquérito online, composto por um conjunto de questões simples e de resposta rápida, mas íntimas, sobre diferentes áreas da sua vida (individual, relacional/sexual, social). Não existem respostas certas nem erradas.

Este questionário encontra-se, portanto, disponível online. Se clicar no link disponibilizado em seguida, será direcionado para o questionário. 


Como funciona?
1) Para começar a responder ao questionário, clique em “Seguinte”;
2) Se começar a preencher o questionário e decidir retomá-lo numa outra altura, poderá clicar em “Continuar mais tarde”. Nessa altura, o seu questionário será gravado e ser-lhe-ão fornecidos dados para poder aceder ao questionário mais tarde (clicando na opção “Load unfinished survey”). No entanto, é muito importante completar o preenchimento do questionário para que as suas respostas sejam válidas;
3) Pode, em qualquer momento, e por qualquer motivo, desistir de colaborar neste estudo, encerrando, para isso, a janela.

Como é garantida a confidencialidade?
As suas respostas serão estritamente confidenciais e anónimas. Os dados recolhidos serão utilizados apenas para fins de investigação, tendo apenas valor coletivo.

Quem está a realizar este estudo?
Este estudo está a ser realizado por uma equipa de investigadores do Grupo de Investigação “Relações, Desenvolvimento & Saúde” do Centro de Investigação do Núcleo de Estudos e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC), da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. O estudo conta com o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia (SFRH/BD/100117/2014) e enquadra-se no âmbito de um projeto de investigação financiado pelo programa Investigador FCT (IF/00402/2014).

Equipa de investigação:
Alexandra Martins (FPCE-UC)
Maria Cristina Canavarro (FPCE-UC)
Marco Pereira (FPCE-UC)

Onde serão divulgados os resultados do estudo?
Após a conclusão deste estudo, os principais resultados e informação adicional sobre este projeto serão divulgados em: www.fpce.uc.pt/saude/

Se tem questões adicionais acerca desta investigação, por favor, contacte os investigadores através dos e-mails projetovihfpceuc@gmail.com ou alexandrafrsmartins@gmail.com

 

(inserido em setembro 2016)

II Jornadas de Serviço Social - "Parentalidade e Homoafetividade"

Bom dia,

 
Somos um grupo de Assistentes Sociais que acolhemos o desafio de realizar as II Jornadas de Serviço Social da ULSAM, Epe, a se realizar no dia 17 de Novembro.
 
O tema das nossas jornadas é sobre a "Parentalidade - Novos Desafios" e no último painel  - "Parentalidade e Homoafetividade" - era nossa intenção dar a conhecer ao público presente um testemunho pessoal de uma família que tenha passado por um processo de adoção.

 
Neste sentido, pedimos a vossa colaboração para nos indicar possíveis interessados.
 
Com os melhores cumprimentos,
 
A comissão organizadora
E-mail: jornadaservicosocialulsam2016@gmail.com
Tel.: 968 569 120
 

 

(inserido em Julho de 2016)

Lei da adoção e coadoção por casais homoparentais

Olá,

Somos duas alunas do curso de Ciências da Comunicação da Universidade do Porto. O nosso trabalho trata-se de uma curta reportagem para a unidade curricular Técnicas de Expressão Jornalística II - Televisão.

Nós escolhemos retratar o modo como a alteração na lei da adoção e coadoção por casais homoparentais afetou (ou não) as famílias que já existiam em Portugal.
Precisamos de uma familia da zona do Porto, por questões de limitações em termos de transporte, que estivesse disponível a receber-nos e a falar-nos da sua visão deste assunto.
Não é certo, mas a reportagem pode vir a ser publicada online no jornal do curso, no entanto, o seu principal objetivo é o de avaliação à disciplina.

A reportagem só pode ser realizada durante a semana, da parte da manhã ou da tarde, fora a hora de almoço, porque os alunos são acompanhados no terreno por um técnico de imagem.
Caso haja alguma familia interessada, agradeciamos o contacto juntamente com a indicação das datas que mais lhe convêm.

Desde já o nosso muito obrigado!

Melhores cumprimentos,

Andreia Mendes - andreiafcmendes@outlook.pt

 

 

 

Género e violência na intimidade entre pessoas do mesmo sexo

Ex.mas Senhoras e Ex.mos Senhores, 

No âmbito da preparação da Dissertação de Mestrado em Psicologia Jurídica, pela Universidade Fernando Pessoa, sob orientação da Professora Doutora Ana Isabel Sani e do Professor Doutor Luís Santos, estou a desenvolver um estudo intitulado "Género e violência na intimidade entre pessoas do mesmo sexo". 
O objectivo do estudo é perceber se, e de que forma, os papéis de género desempenham um papel importante no contexto de relações de intimidade abusivas entre pessoas do mesmo sexo. 
 
Envio o seguinte link, onde se encontram todas as informações relativas ao estudo em questão: https://docs.google.com/forms/d/1qA3xuwOKkf5orlGAFEnVHmtVKjFYZ2H-TYD6r6qe-G8/viewform?c=0&w=1&usp=mail_form_link
 
Com os melhores cumprimentos,
 
Isa Correia de Barros
 
 
(inserido em Abril 2016)
 

 

Atitudes e Fantasias Sexuais

Está a decorrer uma investigação científica, no Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz na Licenciatura de Psicologia, no âmbito da unidade curricular de Psicologia da Sexualidade, com a temática "Atitudes e Fantasias Sexuais". Este estudo utiliza dois questionários sobre a temática referida, tendo por objetivo estudar a relação entre as atitudes e as fantasias sexuais, destinando-se apenas a indivíduos com idade igual ou superior a 18 anos. A partir do momento em que o questionário é respondido, não existe maneira de relacionar as respostas obtidas com a pessoa que o preencheu. Nesse sentido, todos os dados recolhidos através deste questionário serão confidenciais e anónimos, nunca podendo ser utilizados de forma a prejudicar os seus participantes. 


No entanto, visa essencialmente comparar as atitudes e fantasias sexuais entre diferentes orientações sexuais, nesse sentido gostaríamos de ter a colaboração da vossa instituição para conseguirmos uma boa amostra comparativa.

O link do nosso questionário segue abaixo:
https://docs.google.com/forms/d/1I6wDMBz-i8NbtcRVGLx0qxu2P1ZJECFQKUn2X3_uwvM/viewform?c=0&w=1
 
Agradecemos desde já o tempo dispensado, 
 
Os melhores cumprimentos, 
 
Ana Gama, 
Daniela Couto, 
Maria Fernandes,
Mariana Camolas, 
Renata Guarda.
Satisfação com as relações pessoais

Olá!

Eu, Michelle França, venho por este meio convidar-vos a participar do meu estudo!

Este estudo é sobre a satisfação com as relações pessoais.

Este estudo é realizado em Portugal e pretende oferecer o seu contributo à saúde e felicidade relacionais de ambos os sexos e de todas as orientações sexuais e acordos relacionais diferentes.

A sua participação neste estudo é muito importante! E as suas respostas são totalmente anónimas.

 O questionário destina-se a mulheres e homens com 18 anos de idade ou mais, que estão neste momento comprometidos a uma relação de compromisso.

Aqui está o link para o questionário: http://bit.ly/20528YN

 

Agradeço desde já pela sua colaboração!

 

Michelle.

 

 (inserido em Março de 2016)

Representações Sociais da Violência entre Parceiros Íntimos

O meu nome é Ana César e estou a realizar a minha Dissertação de Mestrado “Representações Sociais da Violência entre Parceiros Íntimos”, em Psicologia Clínica, na Universidade de Coimbra.

Vinha, portanto, solicitar a vossa participação para o preenchimento do questionário que se segue, uma vez que a maioria dos trabalhos que vi sobre este assunto, apenas incluem as relações entre pessoas de sexos opostos e penso que seria importante considerar todo o tipo de relações.
Assim, vinha pedir a vossa colaboração, sendo que o questionário é estritamente confidencial, era muito importante que respondessem ao mesmo ou o pudessem partilhar.
Link para responder ao instrumento: https://docs.google.com/forms/d/1-i-vyfDRP_9mphw3saqsp4FzCi5xJt0GdHO7rBnNtyg/viewform?c=0&w=1&usp=mail_form_link
 
Desde já, muito obrigada!

Cumprimentos, Ana César.

(inserido em Fevereiro de 2016)

Violência na Intimidade nos Relacionamentos Homossexuais

O meu nome é Lúcia Osório e estou a realizar a minha Dissertação de Mestrado “Violência na Intimidade nos Relacionamentos Homossexuais”, em Psicologia Jurídica, na Universidade Fernando Pessoa.

A investigação tem como objetivo a criação e validação, para a população homossexual portuguesa, de um instrumento que tem como objetivo explorar a questão da violência e abuso nos relacionamentos íntimos entre pessoas do mesmo sexo (gays e lésbicas).

Assim, e uma vez que o instrumento se encontra online, era muito importante que respondessem ao mesmo, caso se identifiquem, caso não seja possível, seria muito importante que o partilhassem.

Link p/responder ao instrumento: http://goo.gl/forms/yCo7gxwMH7

Desde já, muito obrigado!

Lúcia Osório

 

(inserido em Fevereiro de 2016)

Atuação policial face a casos de violência doméstica em casais homossexuais

O meu nome é André Nunes e encontro-me a desenvolver um estudo intitulado "A atuação policial face a casos de violência doméstica em casais homossexuais".

Com este estudo procura-se entender a qualidade da actuação policial face a situações de violência doméstica.

 O que procuro são pessoas que tenham passado por experiências de violência doméstica, independentemente de idade ou sexo, e que estejam disponíveis para responder a um questionário, o qual evidentemente será anónimo e confidencial.

Eventuais interessados poderão responder para o meu e-mail (andre.pan6@hotmail.com) e eu reencaminharei o questionário.

 

Com os melhores cumprimentos,

André Nunes

 

 

(Inserido em Dezembro de 2015)

Adopção de crianças por casais do mesmo sexo

Somos um grupo de alunos do Mestrado Integrado em Psicologia do ISPA - Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida. Estamos a realizar uma investigação sobre um tema relacionado com adopção de crianças por casais do mesmo sexo. 

Gostaríamos de contar com vosso apoio.

Consulte http://investigacao-ispa-i.weebly.com/ para nos ajudar.

 

(inserido Novembro 2015)

Violência nas relações de intimidade entre pessoas do mesmo sexo

Olá,

Chamo-me Cátia Fernandes, sou aluna do mestrado de Sociologia na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, e no âmbito deste  mestrado estou a desenvolver dissertação sobre a “Violência nas relações de intimidade entre pessoas do mesmo sexo”, sob a orientação da professora Drª. Madalena Duarte.

O objetivo do programa é compreender de que forma os mecanismos de apoio se encontram ou não preparadas para a comunidade LGBT. Nesse sentido, a amostra será constituída por três grupos, sendo eles, as vitimas LGBT, casais LGBT e profissionais da sociedade civil.

Para a realização do estudo, procuro homens e mulheres que tenham sofrido de violência nas relações de intimidade LGBT e me possam facultar o seu tempo para uma entrevista. Casais de pessoas do mesmo sexo, que nunca tenham sofrido de violência são também bem-vindos, podendo neste caso, falar sobre as suas expectativas em relação aos mecanismos de apoio entre outros.

 Todas as entrevistas serão confidenciais e recorram a gravação de áudio, para não perder nenhuma informação importante.

Todxs os interessadxs devem contactar: catiafernandes93@gmail.com . Agradeço a colaboração de todxs.

Aguardo respostas.

Com os melhores cumprimentos,

Cátia Fernandes

 

(inserido Novembro 2015)

Perfil sobre a comunidade transsexual

Ciente do défice de atenção que a comunicação social portuguesa revela perante a comunidade transsexual portuguesa, gostava de fintar esta realidade do Jornalismo, e realizar um artigo jornalístico, integrado na disciplina Escrita Jornalística, do mestrado que estou a frequentar na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa.
O artigo será na forma de Perfil - é um género em que se dá destaque a uma pessoa ou mais, e se conta de forma pormenorizada a história da vida da pessoa.
Para tal, gostaria de estender um pedido de colaboração a pessoas transsexuais, que estejam dispostas a partilharem comigo a sua história. Tenho noção de que partilhar a nossa vida com uma desconhecida não é fácil, mas um perfil é um género que pressupõe várias conversas e uma aprendizagem contínua, e gostava mesmo muito de poder ouvir as vossas histórias. Se queres dar voz à tua história e à tua luta, ou se pelo menos ficaste curioso, e queres saber mais pormenores, contacta-me através de um destes veículos:
 
- O meu nome é Sofia e tenho 22 anos
- Telemóvel: 91 46 00 659
- Email: sofiabarreirapavao@hotmail.com

Novo projecto de dança

Olá!

Gostava de pedir a tua colaboração para o preenchimento de um simples questionário (10 perguntas) sobre um novo projeto de dança.

As respostas serão tratadas com a máxima confidencialidade e apenas para efeitos de estudo de mercado.

Conto com a tua ajuda. Basta clicares neste link:

https://docs.google.com/forms/d/1b6GWzNPxkF4Pb5JJIMxeFxrIFZMcsJaAHpvKU8syzQc/viewform?usp=send_form e responder!

Muito Obrigado!

André Azevedo

andrevazazevedo@gmail.com


André Azevedo
961 247 913
Trabalho sobre violência doméstica

A Violência Doméstica é um fenómeno social que atravessa todas as camadas sociais e todos os géneros, no entanto só vem sendo dado enfoque à Violência Sobre Mulheres, em verdade o género mais atingido, e mais recentemente sobre as Crianças e os Idosos, sendo enviado para ultimo plano a Violência Sobre os Homens, trabalho em que participei e sobre o qual fiz apresentação no ultimo congresso do INMLCF, que representam “só” 18,5 das vitimas de violência física, a violência psicológica é mais difícil de cifrar tanto para um como para outro género, mas a sociedade evoluiu assim como as relações de afectividade e impõe-se, na minha opinião, que também sejam estudados os novos agregados familiares, em especial os do mesmo género e assim eventualmente aferir qual o valor parcial no crime de VD.
Com o objectivo de desenvolver um projecto que permita entender qual a taxa de incidência de violência doméstica nessas relações, para possível posterior apresentação em ambiente científico, gostaria de solicitar a colaboração de eventuais interessados para a realização de entrevistas.

Grato pela atenção dispensada e pela vossa colaboração.
 

Melhores cumprimentos,

Fernando Castanheira
Membro IALM/FASE
Formador/Investigador
(351) 964 013 855 / fernando_ialm-fase@sapo.pt

 

(inserido em Setembro de 2015) 

Visibilidade da sua Orientação Sexual no Contexto do Ensino Superior

O presente questionário, no âmbito do Mestrado em Psicologia da Educação da Universidade de Évora, tem como principal objetivo compreender de que forma as pessoas Lésbicas, Gays ou Bissexuais (LGB) gerem a Visibilidade da sua Orientação Sexual no Contexto do Ensino Superior. Desse modo, pede-se a colaboração de pessoas que estejam, atualmente, a frequentar qualquer instituição do ensino superior e que se identifiquem como LGB.

http://goo.gl/forms/CoVmLgbt7K

 

(inserido em Julho de 2015)

Estratégias de Coping Utilizadas pelas Famílias Portuguesas e Espanholas no Equilíbrio Trabalho-Família

Bom dia,

Venho por este meio pedir colaboração na participação e divulgação do questionário “Estratégias de Coping Utilizadas pelas Famílias Portuguesas e Espanholas no Equilíbrio Trabalho-Família”.

Elaborado no âmbito do Mestrado em Psicologia do Trabalho e das Organizações da Universidade de Évora sob orientação da Prof. Dr.ª Carla Santarém Semedo, este instrumento é essencial para a realização da minha dissertação, pelo que qualquer contributo é agradecido.
 
O objectivo do projecto é obter informação sobre as estratégias utilizadas pelas famílias Portuguesas e Espanholas para equilibrar a interacção trabalho-família e família-trabalho.

A amostra será constituída por indivíduos (Portugueses a viver em Portugal e Espanhóis a viver em Espanha) a trabalhar há pelo menos 6 meses na mesma instituição. Assim, solicito a vossa participação se preenchidos os requisitos, e a divulgação do questionário junto de familiares, amigos ou conhecidos que se insiram nos mesmos.
 
Este questionário é anónimo e toda a informação recolhida é confidencial, e em nenhum caso permitirá identificar os/as participantes.

Responder à totalidade do questionário demora cerca de 15 minutos.

O link para o questionário é: https://docs.google.com/forms/d/18QAHxoR2PUYjQbymsQJl7YMwGwgcjSIBXkdR02J0x-c/viewform

Se for necessário algum esclarecimento sobre o projecto, contacte através do seguinte e-mail: m10847@alunos.uevora.pt.

Agradeço desde já a colaboração.

Grata pela atenção,

Patrícia Fonseca

 

(inserido em Junho de 2015)

Relacionamentos românticos entre parceiros íntimos homossexuais e a relação com a violência

Sou aluna do 2º ano do mestrado em Psicocriminologia do Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida – ISPA-IU e estou a desenvolver um estudo sobre os relacionamentos românticos entre parceiros íntimos homossexuais e a relação com a violência.
Gostaria de pedir alguns minutos do seu tempo para responder aos questionários que se encontram no link abaixo. Não levará muito tempo e a sua disponibilidade é importante para o meu estudo.

Destina-se a pessoas com orientação homossexual ou bissexual.

Se puder, por favor, partilhe com familiares, amigos e conhecidos.
Desde já, agradeço!
 
https://qtrial2015az1.az1.qualtrics.com/SE/?SID=SV_4GEvJlAhgn5RECV

Com os melhores cumprimentos,

Jéssica Czuba

 

(inserido em Junho 2015)

Investigação sobre violência doméstica em casais do mesmo sexo

No âmbito da Dissertação de Mestrado em Psicologia do Comportamento Desviante e da Justiça da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, venho por este meio pedir a sua colaboração na minha investigação sobre violência doméstica em casais do mesmo sexo. O meu estudo incide sobre a percepção que a comunidade homossexual e bissexual tem sobre a violência doméstica, pelo que necessito da ajuda de homens e mulheres homossexuais ou bissexuais de qualquer idade, para que me concedam uma entrevista. 

Os disponíveis e interessados em participar contactem-me por favor para rita.vaz.92@hotmail.com . Desde já agradeço a sua colaboração!
 
Com os melhores cumprimentos, 

Rita Vaz

 

(inserido em Maio de 2015)

Investigação das emoções sentidas na traição

Olá,
no âmbito de uma investigação para o Mestrado Integrado em Psicologia na Universidade do Minho, estamos a desenvolver um estudo cujo objectivo é comparar as emoções sentidas a quando da traição, por parte de ambos os intervenientes. Após a recolha de dados serão comparadas as diferenças entre géneros assim como entre as diferentes orientações sexuais.
Por essa razão precisamos do máximo de pessoas possíveis a responder ao questionário, independentemente de já ter presenciado uma infidelidade ou não.
De forma a colaborar no nosso estudo basta responder ao questionário através do seguinte link:

https://qtrial2014az1.az1.qualtrics.com/SE/?SID=SV_elmFvv0s2VGtAUd 
Terá uma duração entre 4 a 7 minutos e é totalmente anónimo.
Desde já agradecemos pela colaboração de todos.

 

(inserido em Abril de 2015)

Estudo sobre relações mais significativas dos homens homossexuais

No âmbito do mestrado integrado em psicologia clínica do Instituto Superior de Psicologia Aplicada – Instituto Universitário, eu, Inês de Almeida Barreira, estando neste momento a desenvolver a minha dissertação, venho por este meio pedir a participação no meu projecto de investigação. A investigação consiste em compreender como são as relações mais significativas dos homens homossexuais.
As relações mais significativas são importantes para qualquer ser humano. São as pessoas mais relevantes na nossa vida e a consistência da relação com essas figuras que nos dão bem-estar psicológico e estabilidade individual. Permitem-nos adquirir ferramentas para enfrentar os ambientes hostis.
Neste seguimento, o projecto em questão pretende estudar as relações mais significativas dos sujeitos homossexuais, mais concretamente a relação com a figura materna. Procuramos saber a maneira como os sujeitos representam estas relações.
O projecto dirige-se a homens homossexuais. Os dados serão recolhidos numa primeira entrevista semi-directiva que irá permitir conhecer o sujeito e conhecer as suas relações mais significativas. A segunda parte, passar-se-á uma prova projectiva de resposta livre. Na última parte do projecto, realizar-se-á uma segunda entrevista para esclarecer dúvidas que tenham ficados sobre os dados recolhidos e aprofundá-los. Será respeitada a confidencialidade e os dados recolhidos serão apenas utilizados para fins de investigação.
Agradece-se a colaboração e a disponibilidade dos participantes.
Para qualquer esclarecimento adicional sobre o projecto, poderão contactar-me seja por e-mail, seja por contacto telefónico.
Obrigada pela vossa atenção.

Inês Barreira
967 474 815
ines.barreira4@hotmail.com

 

(inserido em Abril de 2015)

Reportagem sobre adoção homossexual

Olá,

Sou uma estudante universitária do curso de ciências da comunicação da Universidade Fernando Pessoa e no âmbito escolar tenho que fazer uma reportagem de tema livre para uma cadeira que tenho. Como o tema era livre, optei por fazer uma reportagem sobre a adoção homossexual, devido a ser um tema tão problemático nos dias de hoje e tão “cobiçado” por assim dizer. Na minha opinião esta realidade social deve ser aceite porque a felicidade e a família são direitos naturais e cabe a cada ser social aceitar esses direitos. Escolhi este tema por, questionavelmente, ser tão problemático na política portuguesa e dessa forma tentar mudar mentalidades das pessoas mais “fechadas” culturalmente. O que precisava era de uma família que estivesse disposta a falar comigo, para conseguir uma fonte principal para a minha reportagem. Sei que é uma iniciativa pequeninha mas assim, aos pouquinhos, vamos conseguir mudar o nosso país. Peço por favor que me tenham em consideração e refiro novamente que é um trabalho universitário.

Caso estejam dispostos a falar comigo enviem e-mail para: sarakarvalho21@live.com.pt, ou para o meu facebook: https://www.facebook.com/sara.carvalho.568, ou então para o meu numero de telemóvel pessoal: 938517404

Obrigado por toda a vossa atenção.

Com os melhores cumprimentos,

Sara Carvalho

 

(inserido em Abril de 2015)

 

Homofobia nas Organizações

Olá a todo/as! O meu nome é Joana Filipa Dinis e sou aluna de Mestrado em Psicologia Social e das Organizações no ISCTE-IUL. No âmbito da minha tese de mestrado, com orientação da Professora Carla Moleiro, estou a realizar um estudo sobre Homofobia nas Organizações. Para este efeito preciso de recolher dados através de um questionário online, completamente anónimo que demora cerca de 15 minutos a responder. Este estudo dirige-se a homens gays, mulheres lésbicas e pessoas bissexuais que estejam a trabalhar ou já tenham trabalhado numa instituição/empresa/estabelecimento. Peço a vossa ajuda na divulgação deste questionário junto de amigos/conhecidos/familiares/colegas de trabalho que se insiram neste público-alvo.

 Qualquer dúvida relativamente ao estudo podem contactar-me através do email jfnds@iscte-iul.pt

LINK DO QUESTIONÁRIO: https://qtrial2010.az1.qualtrics.com/SE/?SID=SV_0ALcJ0Pl6MV8DCB

 

(inserido Abril 2015)

Bullying Homofóbico

Questionário sobre bullying homofóbico de uma equipa de investigação do Centro de Investigação e Intervenção Social – CIS-IUL. Este estudo é da responsabilidade das investigadoras Raquel António e Doutora Rita Guerra e destina-se apenas a  jovens do ensino secundário.

Pretendemos recolher opiniões acerca de alguns aspectos da sua vida no contexto escolar. É anónimo e toda a informação recolhida através dele é absolutamente confidencial.

O link do questionário: https://iscteiul.co1.qualtrics.com/SE/?SID=SV_7QwK6sXYIgxOk29

Para saberes mais sobre este estudo, poderás contactar as responsáveis:

Raquel António
(ana_raquel_antonio@iscte.pt)

Prof. Dra. Rita Guerra
(ana_rita_guerra@iscte.pt)

 

(inserido em Abril de 2015)

Projecto INTIMATE – Cidadania, Cuidado e Escolha: A Micropolítica da Intimidade na Europa do Sul

Encontra-se a decorrer no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra o projeto de investigação INTIMATE – Cidadania, Cuidado e Escolha: A Micropolítica da Intimidade na Europa do Sul. Trata-se do primeiro estudo aprofundado sobre cidadania íntima na Europa do Sul, financiado pelo European Research Council, que será desenvolvido durante 5 anos por uma equipa interdisciplinar, sob coordenação de Ana Cristina Santos. Este projeto irá estudar a intimidade a partir da perspetiva de pessoas historicamente colocadas à margem das prioridades políticas, jurídicas e sociais na Europa do Sul (Espanha, Itália e Portugal): pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgénero.

Depois de um primeiro ano de trabalho teórico, estamos a dar início aos primeiros estudos de caso sobre relações lésbicas e/ou poliamorosas.

Neste sentido, gostaríamos de contar com a vossa colaboração na divulgação deste estudo, nomeadamente entre pessoas que possam ter interesse em participar na qualidade de entrevistadas (pessoas lésbicas, gays, bissexuais, trans e/ou queer, entre os 25 e os 45 anos, residentes em Lisboa, que se encontrem numa relação lésbica e/ou poliamorosa).

Para mais informações, consultar as páginas do projeto na internet:

www.ces.uc.pt/intimate
www.facebook.com/ces.intimate

Ou contactar:

Investigadora Responsável: Ana Cristina Santos
Email: intimate@ces.uc.pt
Tel: 239855570

 

(inserido em Abril de 2015)

Processos psicológicos associados às relações íntimas inter e intrapessoais
Sou estudante universitário e estou a realizar a minha tese de mestrado sobre os processos psicológicos associados às relações íntimas inter e intrapessoais numa amostra LGB e preciso da vossa ajuda no preenchimento de um breve questionário, que deverão escolher de acordo com a vossa orientação sexual e identidade de género. 
 
David Gregório, Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde
 

 

(inserido em Março de 2015)

Dinâmicas parentais e solidariedade familiar

No âmbito de uma investigação que decorre na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, solicitamos o preenchimento do seguinte questionário anónimo e confidencial sobre dinâmicas parentais e solidariedade familiar. Todas as pessoas maiores de 18 anos podem participar INDEPENDENTEMENTE da sua orientação sexual. A opinião de pessoas lésbicas, gays ou bissexuais é muito importante uma vez que têm sido menos ouvidas relativamente a estas temáticas.

Muito obrigado!

Jorge Gato, PhD (investigador principal)

 

ATENÇÃO, EXISTEM 2 VERSÕES CONSOANTE TENHA OU NÃO TENHA FILHOS

Se tiver filhos, clique em:

https://surveys.fpce.up.pt/index.php/survey/index/sid/153628/newtest/Y/lang/pt

Se NÃO tiver filhos clique em:

https://surveys.fpce.up.pt/index.php/survey/index/sid/624667/newtest/Y/lang/pt

 

(inserido em Março de 2015)

 

Experiências parentais de famílias homoparentais

As investigadoras Susana Moreira e Inês Patrício, estudantes do 5º ano do Mestrado Integrado em Psicologia Clínica do Instituto Superior de Psicologia Aplicada – Instituto Universitário (ISPA-IU) estão a efetuar um estudo sobre as experiências parentais de famílias homoparentais em Portugal. O presente estudo integra-se numa equipa de investigação liderada pelo Professor Doutor Pedro Alexandre Costa e pela Professora Doutora Isabel Leal.

Deste modo, as investigadoras veem por este meio solicitar a sua colaboração na presente investigação que tem como objetivo avaliar as experiências parentais de mães lésbicas e bissexuais e de pais gays e bissexuais, assim como o enquadramento das famílias nos diversos contextos sociais. A participação nesta investigação envolve apenas o(s) pai(s) e/ou a(s) mãe(s) e irá consistir no preenchimento de um questionário e colaboração numa uma entrevista. Será garantida a confidencialidade e anonimato de todos os dados recolhidos.

Agradecemos desde já a atenção prestada. Para a participação neste estudo e qualquer esclarecimento adicional por favor contactar:

Investigadora Susana Moreira 19719@alunos.ispa.pt

Investigadora Inês Patrício 19864@alunos.ispa.pt

(inserido em janeiro de 2015)

 

Experiências de violência doméstica das pessoas LGBT

No âmbito da Dissertação de Mestrado em Psicologia Comunitária e Proteção de Menores do ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa encontra-se a decorrer um estudo exploratório descritivo que tem como objetivo explorar as experiências de violência doméstica das pessoas LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transsexuais) e perceber as suas perspetivas sobre os serviços de apoio. 

Para tal estão a ser realizadas entrevistas individuais (presenciais ou por telefone) a pessoas LGBT que foram ou são vítimas de violência doméstica no contexto de uma relação de intimidade com um/a parceiro/a do mesmo sexo.

Se tem interesse e disponibilidade em participar no estudo referido ou se pretende colocar alguma dúvida envie um e-mail para o seguinte contacto eletrónico:jenny_gomess@hotmail.com

Desde já agradeço a sua eventual participação e consentimento e sensibilizo que divulgue o estudo pelos seus conhecidos. Toda e qualquer informação transmitida durante as entrevistas será utilizada apenas para fins académicos e de forma confidencial e anónima.

A investigação é a voz para desenvolver melhores estratégias de prevenção e intervenção e darmos a esta população-alvo o que realmente têm direito!

Jenny Gomes, ISCTE-IUL

(inserido em janeiro 2015)

Homens: emoção de vergonha
O objectivo desta investigação é estudar a emoção de vergonha - isto é, a vivência por parte das pessoas de um sentimento de diminuição e desvalorização pessoal em certas situações -, em indivíduos do género masculino. Esta emoção, frequente em todos os seres humanos ao longo da sua vida, pode contudo ser fonte de sofrimento pessoal, sendo que o seu melhor conhecimento irá permitir melhorar as intervenções e/ou apoio prestado a essas pessoas, no sentido de aumentar o seu bem-estar. Por isso, a sua participação neste estudo é extremamente valiosa. Este estudo está a ser conduzido por um grupo de investigadores do CINEICC (Centro de Investigação do Núcleo de Estudos e Intervenção Cognitivo-Comportamental) da Faculdade de Psicologia e de Ciências de Educação da Universidade de Coimbra."

o URL do estudo é este: https://www.fpce.uc.pt/limesurvey/index.php/473452/lang-pt

(dezembro 2014)
A Qualidade das Relações Íntimas, Identidade, Estilos de Vinculação e Suporte Social em casais LGB

 

 

No âmbito da Tese de Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde, na Universidade da Beira Interior – Departamento de Psicologia e Educação, encontro-me a realizar um estudo ibério-americano sobre A Qualidade das Relações Íntimas, Identidade, Estilos de Vinculação e Suporte Social em casais LGB. O objetivo é avaliar a qualidade das relações íntimas, estilos de vinculação, identidade, suporte social e bem-estar sexual subjetivo.

 Este questionário destina-se a ser preenchido por pessoas lésbicas, gays ou bissexuais (LGB) que se encontrem atualmente numa relação significativa (independentemente do tempo de duração).

 Para participar, preencha individualmente o presente questionário em
https://docs.google.com/forms/d/17MEehnn6vmQzLNm9LMoTxNSq3TqGP7TWQSq94a8M1Ts/viewform

O questionário tem um tempo médio de preenchimento de 10 minutos. Ao preencher o questionário estará a refletir acerca de uma temática tão relevante como o seu relacionamento, o que constituirá uma ótima oportunidade de aprendizagem e crescimento pessoal e relacional.

 As respostas são tratadas de forma anónima e confidencial.

 Em caso de dúvida, ou para qualquer esclarecimento contactar: m6168@ubi.pt 

Solicitamos ainda que possa divulgar este questionário pelos seus contactos de forma a obtermos o maior número de respostas. Agradecemos desde já a sua participação e reforçamos que a sua colaboração é essencial para a nossa pesquisa.

 

Pela Equipa de Investigação,

Ana Margarida Jerónimo

Universidade da Beira Interior – Portugal

 

Mais ciência para uma sociedade mais inclusiva

Este é um estudo sobre orientação sexual, coming out e homo(bi)fobia internalizada, relacionando-os com o bem-estar subjectivo e a auto-estima, junto da população Gay, Lésbica, Bissexual e Heterossexual com comportamentos homossexuais, 

Pedimos que colaborem neste estudo, através do preenchimento dos questionários, cujos links se encontram abaixo, bem como a divulgação do mesmo.

Obrigada pela vossa colaboração,

Francisco Castro
Finalista do Mestrado em Psicologia e Aconselhamento da UAL

Página de facebook: Mais ciência para uma sociedade mais esclarecida 

1) link para a população GAY/LÉSBICA
https://docs.google.com/forms/d/1xBjX7gmBdbWDdQvEQSesFXy-jcwb8atf-u0jzlN0VNI/viewform?usp=send_form

2) link para a população BISSEXUAL
https://docs.google.com/forms/d/1p3jtNuS5Kl7S1GajfWKrwLNSrSeuZmqsCiULm_hsTXM/viewform?usp=send_form

3) link para a população HETEROSSEXUAL COM COMPORTAMENTOS HOMOSSEXUAIS
https://docs.google.com/forms/d/1nADK-22nKLf5ONKesE8k9FL7RqQD6QtfQ0r9FBVK29c/viewform?usp=send_form

Estudar as famílias lésbicas portuguesas para lhes dar voz

 Procuram-se casais de mulheres — juntas, em união de facto ou casadas — que tenham a cargo filhos conjuntamente planeados, para aquele que será o “primeiro projecto de investigação que se foca especificamente nas famílias lésbicas planeadas em Portugal”, diz a socióloga Tânia Machado, apresentando o seu projecto de doutoramento.

 
Porque, em termos científicos e académicos, há uma “lacuna” no estudo da homoparentalidade em Portugal. Porque, em termos práticos, “é necessário dar visibilidade e voz a estas famílias”, saber se são discriminadas para saber como intervir. Além de que um estudo como este reforça o sentimento de comunidade destas famílias: "Elas podem ver que há outras iguais a elas, que não estão isoladas, que não são só elas que vivem aquele tipo de situação, boa ou má. (...) Que não são as únicas."
 
Em 2012, antes do chumbo da co-adopção, da ameaça de referendo e de todos os volte-faces que têm rodeado o tema, Tânia, que desde a licenciatura se tem dedicado ao estudo do género e da sexualidade, em particular à realidade das lésbicas, candidatou-se à bolsa de doutoramento da FCT com o projecto “Representações das mães lésbicas sobre a maternidade lésbica e estratégias de gestão da identidade maternal deteriorada” — o termo "deteriorada", um conceito da Sociologia, refere-se à discriminação em função de alguma característica não normativa, neste caso, a identidade sexual — guiada por dois grandes objectivos.
 
A socióloga de 26 anos, a frequentar o doutoramento na Universidade do Minho, quer perceber como é que elas se percepcionam, enquanto progenitoras e homossexuais, num contexto social “onde o seu estatuto maternal e a sua estrutura familiar ainda não são normativos”. Por outro lado, vai analisar como é que gerem a sua identidade maternal em interacção com quatro redes de sociabilidade: famílias de origem, amigos, vizinhos e colegas de trabalho ou empregadores. Isto é, como é que se apresentam, se assumem a sua identidade familiar, como é que interagem quotidianamente, e quais são as reacções dos interlocutores.
 
Co-adopção: pela identidade maternal
Num momento em que não existe enquadramento legal para estas famílias, Tânia aponta para a fragilidade da posição destas mulheres, principalmente daquelas que não dão à luz ou que não são as adoptantes (em Portugal, só a adopção singular está acessível a um homossexual). “Para além de não terem um reconhecimento social e legal, não existe um termo consensual que a defina e que defina o seu papel no seio da família. Fica num limbo em que não sabe o que é. Há uma ambiguidade identitária complicada e que a co-adopção ajudaria, de certa forma, a resolver. Ajudaria na constituição da sua identidade maternal.”
 
O estudo vai incidir apenas em mulheres por limitações académicas, mas também porque para elas é, por razões biológicas, mais fácil conseguirem concretizar a maternidade. Tânia, que espera concluir o doutoramento em 2016, está agora na fase de trabalho de campo, realizando entrevistas às interessadas. As informações recolhidas são confidenciais e é garantido o anonimato. Todas as mulheres que reúnam as condições solicitadas podem participar. Mais esclarecimentos disponíveis no site do projecto: Famílias Lésbicas Portuguesas.
 
in Público P3
Relação afectiva homossexual e bissexual: Atitudes Sexuais e Vinculação Amorosa

Mestrado em Psicologia, Aconselhamento e Psicoterapia - Relação afectiva homossexual e bissexual: Atitudes Sexuais e Vinculação Amorosa

No contexto da realização de uma tese, no âmbito do Mestrado 
em Psicologia, Aconselhamento e Psicoterapia, da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, solicito a colaboração no presente estudo por meio do preenchimento do questionário abaixo referido

Informo, ainda, que os questionários são anónimos e as respostas confidenciais e facultativas, destinando-se única e exclusivamente a fins estatísticos. 

Os requisitos para participar neste estudo são:

a) ser maior de 18 anos
b) ser homossexual ou bissexual

Agradeço desde já a vossa colaboração,

Link do questionário: 

https://docs.google.com/forms/d/1eRBeysjdbQ_qaFNxxRqzEDdSx9auNLDSk8FseJS3_wU/viewform

Francisca Proença de Carvalho

 

A Funcionalidade e/ Violência na Família Homossexual

 Vimos por este meio pedir a colaboração para um estudo a realizar-se na Universidade do Algarve, Escola de Enfermagem, sobre "a Funcionalidade e/ Violência na Família Homossexual".  Espera-se colaborar para o direito à visibilidade e contribuir para a diminuição do preconceito.

Gostaríamos que participassem do nosso estudo casais com ou sem filhos que residissem em Faro , pela facilidade de acesso ao questionário que será impresso, mas todos são bem vindos.

O telefone para contato ou mensagem é 91 276 41 21, falar com Sandra Gomes.

Agradeçemos desde já,

Construindo Diferenças: Representações, discriminações e identidades múltiplas de imigrantes LGBT

 PARTICIPAÇÃO EM ESTUDO ACADÉMICO

Construindo Diferenças: Representações, discriminações e identidades múltiplas de imigrantes LGBT

No contexto da realização de uma tese de mestrado no curso “Migrações, Inter-etnicidades e Transnacionalismo” na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH/UNL) solicita-se a colaboração de pessoas com as seguintes características para efectuar entrevistas individuais:

  • nacionalidade não portuguesa
  • residentes na Área Metropolitana de Lisboa há pelo menos 12 meses
  • auto-identificação com uma orientação sexual e/ou identidade de género não heteronormativas (gay, lésbica, bissexual, transgénero, transexual etc.)

A entrevista focará as experiências pessoais de discriminação, a sua percepção e o seu impacto no quotidiano. Terá uma duração entre 90 e 120 min e será realizada num local a confirmar com @ participante. As informações serão tratadas com a maior confidencialidade.

Pede-se a colaboração para o projecto que pretende opôr ao vazio de trabalhos académicos uma contextualização histórica, social e cultural das experiências de discriminação no quotidiano.

Contactos para o e-mail estudo.migracoes.lgbt.lx@gmail.com

 

ACADEMIC STUDY PARTICIPATION

Constructing Differences: Multiple Representations, Discriminations and Identities of LGBT* Immigrants

In order to proceed my master thesis in the course “Migrations, Inter-etnicities and Transnationalism” at the Faculty of Human and Social Sciences (FCSH) in Lisbon, I request the colaboration of persons with the following characteristics for the realisation of individual interviews:

  • non portuguese nationality
  • living in the Lisbon Metropolitan Area since at least 12 months
  • self-identification with a non-heteronormative sexual orientation and/or gender identity (gay, lesbian, transgender, transexual, etc.)

The interview will focus on the personal experiences of discrimination, their perception and their impact in everyday life. It will last 90 to 120 minutes. Of course, the provided information will be treated strictly confidential.

The investigation project intends to contrast the lack of academic recognition with a historical, social and cultural contextualization of everyday experiences of discrimination.

Please contact: estudo.migracoes.lgbt.lx@gmail.com

Mestrado em Psicologia: bem-estar das pessoas homossexuais

Mestranda de Psicologia Clínica e da Saúde pela Universidade do Algarve pede colaboração em estudo psicossocial, com o objetivo de apurar os fatores psicossociais implicados no bem-estar das pessoas homossexuais.

Responde e partilha o questionário em seguida, consoante ao teu género:

Género masculino

Género feminino

Turismo para a comunidade LGBT, comportamentos e hábitos de pessoas da comunidade quando viajam

 O meu nome é Luciana, sou estudante da pós-graduação em marketing digital no IPAM e estou neste momento a fazer um estudo acerca do turismo para a comunidade LGBT, comportamentos e hábitos de pessoas da comunidade quando viajam, mais precisamente para Lisboa. Contactei o INE mas não possuem dados estatísticos em relação a isso e os estudos que encontro naweb são brasileiros.

 

Gostaria de pedir a vossa ajuda – se possível claro – na divulgação dos inquéritos que tenho feito circular dentro e fora de Portugal.

A ideia será posteriormente ter bases para poder fazer um projecto que ajude Portugal a ser um destino gay e que vá de encontro ao que a comunidade procura.

 

Criei três inquéritos,

 

Português:

http://tinyurl.com/csadjuv

 

Inglês:

https://docs.google.com/forms/d/1IZ31N078pzRbxpBHoMdlcBvvMLJ7TQMh7csJwv62p9M/viewform

 

Espanhol:

https://docs.google.com/forms/d/1Qi5J5p6oAfZB0lTHgzfCL2Z3So2EnjKIjzCbLFBxvw/viewform

 

Obrigada pela participação!

Vinculação e Envolvimento Emocional de Mães Lésbicas com o Filho Concebido por Inseminação Artificial: Estudo de Caso

 

O meu nome é Joana Franco, sou aluna do 5º ano do Mestrado Integrado em Psicologia Clínica a decorrer no Instituto Superior de Psicologia Aplicada. 
De momento encontro-me a realizar um estágio académico e a trabalhar na minha dissertação de mestrado cujo orientador é o Dr. Emílio Salgueiro. 
Seguidamente apresento a minha proposta de colaboração no estudo, descrevendo de forma sucinta os objectivos e implicações do mesmo.
Tema: Vinculação e Envolvimento Emocional de Mães Lésbicas com o Filho Concebido por Inseminação Artificial: Estudo de Caso
Objectivos: Descrever a qualidade da vinculação e do envolvimento emocional das mães lésbicas com o filho concebido por inseminação artificial; comparar as mães biológicas com as mães afectivas no que respeita à qualidade da vinculação e ao envolvimento emocional.
Método: Trata-se de um estudo qualitativo em que as informações serão obtidas através de 3 a 4 entrevistas semi-estruturadas (a marcar consoante disponibilidade das entrevistadas), que serão registadas em áudio para posterior transcrição e análise. Cada uma das entrevistas não deverá exceder o tempo máximo de 1h30m, existindo disponibilidade total da investigadora para efetuá-las no domicílio. Serão aplicados também um questionário de caracterização socio-demográfica e uma escala de vinculação. 
Participantes: Casais de lésbicas com um filho/a com menos de 1 ano e cujo método de concepção tenha sido a inseminação artificial. Será entregue às participantes uma carta de consentimento informado garantindo o seu anonimato e a confidencialidade dos dados recolhidos nas entrevistas. As participantes no estudo poderão abandoná-lo a qualquer momento sem quaisquer represálias. 
Estou disponível para quaisquer esclarecimentos adicionais através do e-mail joan4franco@hotmail.com.
Obrigada pela atenção.
Joana Franco - Instituto Superior de Psicologia Aplicada - IU
Contributos para o conhecimento e a intervenção junto dos indivíduos LGBT com deficiência física e/ou sensorial – Ser minoria na minoria

Atendendo às recomendações da Organização Mundial de Saúde relativamente às pessoas LGBT com deficiência física e/ou sensorial e a diversas linhas de orientação mundiais referenciando boas práticas de intervenção junto desta população específica, pretende-se com esta investigação contribuir para o conhecimento aprofundado destas pessoas em Portugal, em termos de caracterização sociodemográfica, assim como, avaliar as suas necessidades, alargadas a dimensões multidimensionais de qualidade de vida: física – percepção sobre a condição física; psicológica – percepção sobre a condição afectiva e cognitiva; social – percepção sobre os relacionamentos sociais e os papéis adoptados; ambiental – percepção sobre aspectos relacionados com o ambiente onde vive.

Assim, paralelamente ao contributo para uma linha de investigação promotora da sensibilidade para a diversidade, organizar-se-á um manual de boas práticas com guidelines para as equipas multidisciplinares que intervém junto destas pessoas e que servirá de base à consolidação de um plano formativo a colocar em prática durante a investigação.

Assim, pretende-se reunir o maior número de participantes de modo a cumprir o primeiro objectivo do estudo (caracterizar a população LGBT com deficiência congénita e/ou adquirida, física e/ou sensorial, em Portugal). Trata-se de uma investigação conduzida pela Professora Doutora Ana Garrett, membro do CIS-IUL.
 
Contacto para participação, através do email: lgbtspecial2013[at]gmail.com.
Mestrado Psicologia: Grau de verdade dos estereótipos

O questionário que se segue está inserido no âmbito da Unidade Curricular de Psicologia Social da Inclusão e Exclusão, do Mestrado Integrado em Psicologia da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto.

Após termos feito um levantamento, junto de um público geral, de estereótipos usualmente associados a homossexuais, pretendemos avaliar o grau de verdade, isto é, a correspondência ou não correspondência destes estereótipos à realidade. Por isso mesmo, este questionário destina-se a homens gay, sendo garantida a total confidencialidade e anonimato dos dados em questão.

Por favor, tenha em conta que as afirmações apresentadas não representam de modo algum a opinião das responsáveis deste estudo, apenas são traços estereotípicos apresentados pela maioria da amostra junto da qual recolhemos estereótipos.

Caso surja alguma dúvida a responder ao questionário, ou se pretender obter informações adicionais sobre o estudo, por favor não hesite em contactar mipsi11088@fpce.up.pt
 
Link do questionário: 
https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dG1rSHdyaEJlRUxLa2JLMDlhNUJGR1E6MQ
Mestrado: Homossexualidade, Segredo e Família

Tese de Mestrado sobre Homossexualidade, Segredo e Família

Pede-se a colaboração no estudo estatístico, de um universo de pelo menos 300 questionários, sobre a homossexualidade.

O preenchimento do questionário não tomará mais de 5 minutos do seu tempo e acredite as suas respostas serão de grande valia para o estudo. Não existem respostas certas nem erradas. 

Agradece-se, desde já, a sua colaboração voluntária, atenta e espontânea.O conteúdo deste questionário é totalmente anónimo e confidencial.

Pode participar, seguindo o link:
https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dEhjYXIxV3BreVZoRGd0a0hrLUdVUVE6MQ&fbsource=message
Rastreio do Cancro do Colo do Útero em mulheres lésbicas e bissexuais

Pouco se sabe sobre hábitos de saúde das mulheres lésbicas/bissexuais/transgénero em Portugal, nomeadamente na área da ginecologia.

 O cancro do colo do útero é, em Portugal, a neoplasia maligna ginecológica mais comum e o rastreio é feito através da realização da citologia ou teste de Papanicolau.
 
Este inquérito destina-se a mulheres lésbicas ou bissexuais.
 
O presente estudo, desenvolvido por um grupo de médicos da Maternidade Dr. Alfredo da Costa, tem como objetivo determinar a assiduidade a cuidados de saúde destinados à mulher, nomeadamente a realização de rastreio de Cancro do Colo do Útero.
 
Para responder ao inquérito basta clicar no endereço abaixo citado e no final carregar em enviar (submit). Muito obrigada por participar.
 
https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dHpjM3FqLTBRcllNX2h0ZXR0a3VDd2c6MQ.
Turismo LGBT

Turismo e Gestão de Empresas Turísticas :: Universidade Lusófona do Porto

O  presente inquérito foi realizado no âmbito da disciplina de “Projecto” do curso de Turismo e Gestão de Empresas Turísticas da Universidade Lusófona do Porto.

Tem como objetivo recolher dados para um estudo sobre o potencial do Turismo LGBT de se afirmar e desenvolver em Portugal que contribuirá para a visibilidade de uma realidade pouco estudada na sociedade portuguesa.

O inquérito encontra-se disponíve aqui.

O anonimato e a confidencialidade dos dados estão absolutamente garantidos. A informação recolhida só será usada para o estudo académico em causa.

Qualquer dúvida ou sugestão, contacte: sugestoes.inqueritolgbt@gmail.com

Obrigada pela colaboração!

Equipa Saúde na Diversidade: Inventário de Micro-Agressões

No âmbito de um estudo que pretende caracterizar as experiências de discriminação ou preconceito subtis (micro-agressões) de pessoas Lésbicas, Gays e Bissexuais (LGB) em Portugal, desejamos identificar a presença e frequência de micro-agressões sentidas em contexto de apoio por psicólogos/as, psiquiatras, sexólogos/as, terapeutas familiares ou outros/as profissionais de saúde psicológica.

Neste sentido, a Equipa Saúde na Diversidade do ISCTE-IUL/CIS-IUL, coordenada pela Professora Doutora Carla Moleiro, pede a colaboração para a participação e/ou divulgação do estudo.
 
O Inventário de Micro-Agressões com Base na Orientação Sexual em Contexto Clínico (IMABOS-C) pode ser preenchido por pessoas maiores de 18 anos, que se identifiquem como LGB, e que já tenham tido pelo menos uma consulta de 45 minutos com um/a profissional de psicologia, psiquiatria, sexologia ou terapia familiar. Trata-se de um questionário de preenchimento voluntário, confidencial e anónimo, com duração de cerca de 5 minutos.
 
Para aceder ao questionário basta clicar no seguinte link:
https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dEJHMUhQT2VVRG1qRVZKa1NCNlhHT1E6MQ
 
Obrigado pela sua colaboração!
 
Doutoramento em Psicologia Forense: Homoparentalidade

Doutoramento em Psicologia, especialidade de Psicologia Forense :: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação :: Universidade de Coimbra

O projeto de Doutoramento tem como título provisório A parentalidade numa amostra de homossexuais portugueses: identificação dos padrões de comunicação, vinculação e práticas parentais.

 

O estudo tem como objetivo a análise exploratória do exercício da parentalidade numa amostra de progenitora/es portuguesa/es com orientação homossexual. Pretende-se, nesta pesquisa, identificar os padrões de comunicação, vinculação e práticas parentais em progenitora/es com orientação homossexual. A sua participação e da/os seu/s filha/os (com idades compreendidas entre os 8 e os 15 anos, inclusive) é fundamental, na medida em que a investigação empírica nesta área é ainda limitada em Portugal.

A recolha de informação compreende a aplicação de entrevistas a pais e mães e a administração de questionários de autorresposta a pais e mães e filha/os.

 

A participação é voluntária, estando garantida a possibilidade de, em qualquer altura, recusar participar na investigação sem qualquer tipo de consequências. Estão igualmente assegurados o anonimato e a confidencialidade da informação recolhida, que será inserida em bases de dados para tratamento estatístico dos dados globais (ou seja, de todos a/os participantes). A participação da/os filha/os está dependente da autorização dos pais e mães.

Se estiver interessada/o em participar neste estudo, agradeço o contacto para o email xpaulaxavier@sapo.pt. Este contacto também poderá ser utilizado para efetuar pedidos de esclarecimentos adicionais acerca do estudo.
 
Agradece-se desde já a disponibilidade e colaboração inestimáveis para a concretização deste projeto de investigação.

 

 

 

Mestrado em Psicologia Clínica: Homoparentalidade

Mestrado em Psicologia Clínica :: Faculdade de Psicologia e de Ciências de Educação da Universidade de Coimbra

OBJETIVO: conhecer a opinião de pais gays ou mães lésbicas com filhas/os (crianças, adolescente ou jovens adultas/oss) independentemente do laço filiativo ser  biológico, adotivo, social ou outro.

Para participar, convidam-se pais gays e mães lésbicas a preencher um questionário acedendo ao site do estudo.

Todos os dados fornecidos serão codificados de forma a salvaguardar o anonimato e confidencialidade. 

Agradece-se desde já a participação e divulgação do presente estudo!

 

 

SOS LESBIFOBIA: TESTEMUNHos de mulheres discriminadas por motivos dE orientação sexual (lésbicas, bissexuais)

 O meu nome é Helena Topa, sou psicóloga e estou a organizar um volume com testemunhos de mulheres que sejam ou tenham sido discriminadas por motivos ligados à sua orientação sexual, isto é, por terem relações amorosas com outras mulheres, quer se identifiquem como lésbicas, bissexuais ou heterossexuais.

Esta recolha de relatos/entrevistas não se destina a um estudo académico. É um projecto que pretende dar voz e visibilidade a estas mulheres, dando a conhecer a um público mais vasto e abrangente, através da publicação em livro.

Para esse efeito, peço-lhe que escreva um testemunho acerca da sua experiência. Pode seguir o guião que apresento, mas este servirá apenas como auxiliar para expor situações e questões que sejam relevantes para si. Pode, assim, acrescentar outras informações ou ideias que não estejam previstas. Pretende-se que seja uma reflexão pessoal acerca de situações que vive (ou viveu), de como as sentiu e que impacto e significado tiveram para si.

Alternativamente, e se preferir ou se for mais conveniente para si, poderei recolher o seu testemunho presencialmente ou por via telefónica, ou ainda através da internet (Messenger, Skype). Para tal, só necessito que mo solicite, para o endereço de e-mail abaixo indicado, e combinaremos a melhor forma de realizar a entrevista.

Esta recolha é anónima e em nenhum momento do seu relato terá de fornecer dados acerca da sua identidade ou de terceiros que não pretenda revelar. Apenas lhe peço alguns elementos (idade, local de residência, orientação sexual), que tem toda a liberdade de fornecer ou não.

Não há limites mínimos ou máximos para o seu testemunho, no caso de enviá-lo por escrito. Pode anexar o seu documento ao e-mail, de preferência (em Word ou pdf), ou escrever o seu depoimento directamente no próprio espaço de mensagem do e-mail, e enviar para o endereço: soslesbifobia@gmail.com

As participantes serão informadas acerca da data de publicação do volume com a reunião de todos os depoimentos.

Muito obrigada pela sua colaboração!

 

Pedido - Guião

 

De seguida apresento-lhe alguns dos tópicos que poderão orientá-la na escrita do seu testemunho, podendo seguir a ordem que entender ou acrescentar outros elementos que aqui não estejam previstos:

 

1. Conteúdo

- episódios/acontecimentos em que se tenha sentido discriminada por manter uma relação amorosa com outra mulher (namorada, companheira).

- comportamentos e atitudes de que tenha sido alvo e que revelem preconceito em relação à orientação sexual (lésbica, bissexual), tais como: insultos, ofensas, julgamento pela aparência física, tratamento diferenciado e que tenham implicado mal-estar, perturbação ou algum tipo de prejuízo na sua vida pessoal.

- situações em que tenha sentido, de algum modo, discriminação por comentários indirectos a outras pessoas ou situações, piadas, ofensas, etc. e que a tenham feito sentir posta em causa na sua orientação sexual.

 

2. Contextos

- na(s) situação(ões) que relata: O que aconteceu? Com quem estava? Como reagiu? O que sentiu? A quem contou e com quem contou? Recorreu a alguém (ou apresentou queixa)?

- situações/contextos de vida: na família, no trabalho, na escola, entre amigos/as, em ocasiões de lazer, na rua, com desconhecidos, etc.

- momento, na sua história de vida, em que sucederam: infância, adolescência, idade adulta, recentemente, no momento presente? Que impacto/significado tiveram para si?

 

- Elementos de identificação (facultativo): idade, residência, orientação sexual

- Autorização para publicar o testemunho.

Universidade do Porto: Projeto de Investigação em Relações Amorosas

Projeto de Doutoramento em Psicologia na Universidade do Porto assente nas relações amorosas.

O trabalho permitirá compreender e intervir melhor sobre as dificuldades nas vivências em relação.

Este tipo de estudos é importante na medida em que se reúnem conhecimentos que nos permite aprimorar a intervenção psicológica e ajudar as pessoas a desenvolver relações de casal saudáveis, cuja relação com a saúde mental e o bem-estar está amplamente demonstrada.
 
Muitas vezes, vemo-nos perante relações com um grande aparato de dificuldades que, no fim de contas, se prendem com questões mais enraizadas, como as que tentamos neste estudo descortinar. Dominando estes conhecimentos, os profissionais de psicologia terão mais ferramentas para poder avaliar e identificar estas dificuldades e intervir sobre elas, prevenindo outros problemas que com essas poderão estar relacionadas.
 
A participação no estudo requer apenas o preenchimento de um breve inquérito, disponível em: www.fpce.up.pt/relacoes
 
No final do mesmo, no caso de terem uma relação, é pedido aos/às participantes que insiram o seu e-mail e o do/a companheiro/a (namorado/a, marido/mulher), de forma a que possamos emparelhar as respostas de ambos os membros do casal. Para manter o anonimato dos dados, esses e-mails não ficam associados às respostas de cada casal, sendo o sistema informático que os emparelha automaticamente.
 
Agradece-se desde já a vossa colaboração.
 
Maria Pedro Sobral
Psicóloga responsável pelo Projecto de investigação em relações amorosas
 
www.fpce.up.pt/relacoes 
http://www.facebook.com/ProjectoInvestigacaoRelacoesAmorosasUP
Escola Superior de Saúde Ribeiro Sanche: homens gay com idade superior a 18

Alunas do 4º ano de Licenciatura de Enfermagem (Maria João Martinho, Marta Fernandes e Sara Silva), da Escola Superior de Saúde Ribeiro Sanches.
Este questionário dirige-se a homossexuais, com idade igual ou superior a 18 anos do género masculino, e tem como objectivo aferir as necessidades de informação relativas à saúde sexual. É de toda a conveniência que responda com o máximo de rigor e honestidade, pois só assim será possível avaliar as necessidades específicas deste grupo. Salientando assim, que a sua colaboração é indispensável. 

link para o questionário

Divergências e convergências familiares em torno da orientação sexual dos filhos - Um estudo exploratório

Denise Filipa Silva, aluna finalista do Mestrado de Psicologia da Educação da Universidade de Évora, pretende realizar um estudo designado: “Divergências e convergências familiares em torno da orientação sexual dos filhos - Um estudo exploratório” no âmbito da dissertação de mestrado, orientada pela Profª Doutora Heldemerina Pires.


O presente estudo pretende abordar alguns aspectos relativos à aceitação da orientação sexual homossexual no seio familiar. Tratando-se de um estudo de carácter exploratório será necessário recorrer ao método da entrevista, como tal, necessita de pais/mães e filhos(as) (entre os 18 e os 30 anos) que estejam dispostos a ser entrevistados (entre 30 a 40 minutos).


A investigadora poderá ser contactada através do e-mail denise.filipa.silva@gmail.com

PESQUISAR Estudos
Estudos
Contacto e Sugestões | Avisos Legais | English