Noticias

logo ILGA

Notícias: Internacionais

Reino Unido: Lésbicas, falem – nós não as vemos!
2011-07-12
símbololes

Nomeie alguns gays britânicos conhecidos. Podem ser celebridades, músicos, atores, apresentadores, políticos, quem quiser. Agora, tente fazer o mesmo com lésbicas. O mais provável é que esta segunda lista seja consideravelmente mais pequena. Se olharmos para o cinema, para a televisão ou para a comunicação social vemos que há uma ausência pronunciada de lésbicas assumidas publicamente.

Aquelas que o são, são poucas e distanciadas: Sue Perkins, Clare Balding, Sarah Waters, por exemplo. Porque é que as lésbicas são tão invisíveis? Um olhar rápido pelos arquivos da Pink List do Independent on Sunday revela que nunca houve uma mulher a liderar a lista de “gays e lésbicas mais influentes do Reino Unido”. Na verdade, por várias vezes não se encontra uma mulher sequer nos primeiros 10 lugares. Em 2007, por exemplo, apenas aparece Sandi Toksvig nos primeiros 20 lugares, em 18º.

Será porque as lésbicas afastam deliberadamente a atenção das suas vidas pessoais e operam fora do radar, ou será que são forçadas a não assumirem a sua orientação devido à discriminação e a normas sociais dominantes? Ou será a televisão e os media a ditar que as mulheres sejam sub-representadas?

PinkNews.co.uk falou com quatro lésbicas, cada uma com o seu próprio perfil de responsabilidade – a atriz e música Heather Peace, a deputada do Partido Conservador Margot James, a feminista e jornalista Bindel e a cofundadora do Grupo LGBT do Ministério de Defesa britânico Sandra Docking – e perguntou-lhes quais as razões para a falta de visibilidade de lésbicas, na sociedade atual.

“Não há dúvida que as lésbicas não têm visibilidade suficiente, principalmente se comparadas com homens gays”, diz Bindel. “Tanto na vida pública como na vida real. Podemos ir a certas cidades de Inglaterra e não encontrar uma única lésbica assumida. É uma tristeza.”

Bindel acredita que é mais difícil para as mulheres se assumirem porque as mulheres, no geral, independentemente da sua orientação sexual, estão mais ligadas a noções tradicionais de feminilidade. “Há poucas mulheres capazes de serem vistas como seres humanos sem um rótulo específico.”

Heather Peace, que protagonizou o drama da BBC3 Lip service, conseguiu uma carreira de sucesso como atriz e agora como música. Era a única atriz lésbica da série, apesar de esta ser sobre um grupo de lésbicas a viver em Glasgow, e trouxe-lhe um grande grupo de seguidoras. “Não tenho ilusões que antes de Lip Service teria cerca de 40 pessoas nos concertos e agora estou a esgotar em digressões por todo o país”, diz ela

Mas para assumir a sua orientação sexual precisou de coragem:” Nunca estive realmente no armário mas tratava de assegurar que não tinha o tipo de cobertura na imprensa que me levasse a ter de falar sobre relacionamentos porque não queria mentir acerca disso e também não queria falar sobre a minha namorada porque pensava que isso podia afetar a minha carreira de atriz.”

“Se houvesse muitas lésbicas a servir de modelo com vidas felizes e realizadas como acontece com atores assumidos ter-me-ia assumido mais cedo, definitivamente,” diz Peace. “Quando olho em meu redor agora, ainda não vejo suficientes modelos para que jovens atrizes possam sentir de forma diferente à que eu sentia há tanto tempo atrás. E receio não ser escolhida para papéis heterossexuais.”

Margot James, a deputada conservadora de Stourbridge, é uma de três lésbicas assumidas no Parlamento e a primeira pelo Partido Conservador. Ela pensa que a visibilidade de homossexuais não precisa ser aumentada, mas está grata pelo progresso conseguido na última década. “Podia haver, com certeza, mais lésbicas na vida pública, mas não me considero uma ativista neste assunto. Tenho, provavelmente, uma perspetiva diferente de mulheres mais jovens – há muitas mais lésbicas assumidas hoje do que quando eu era mais nova.

“Sim, comparado com o número de homens, há menos, mas acho que isso é porque há efetivamente mais homens gay que mulheres lésbicas. É difícil para as mulheres mas, mesmo assim, muitos homens assumidos publicamente têm profissões ligadas à publicidade e aos média, onde a homossexualidade é aceite há mais tempo. Ainda é muito difícil também para os homens em certos setores.”

Certos setores incluem organizações tradicionais, como o Ministério da Defesa. Sandra Docking ajudou a criar o Grupo LGBT no Ministério no final de 2004. “Até 2000, o código de conduta das Forças Armadas fazia com que as pessoas LGB tivessem de viver escondidas no seu meio laboral”, diz ela.

O objetivo do Grupo LGBT era aumentar a visibilidade de assuntos LGBT no Departamento, diz Docking. No entanto, afirma que, apesar disso, “não houve um grande número de lésbicas que se voluntariasse para os vários papéis do Grupo, além do papel de representante lésbica”. Quando lhe perguntamos porquê, diz:” Pode ser que o voluntariado seja visto de forma diferente por homens e por mulheres. Os homens vêem isso como uma forma de aumentar as suas redes sociais e desenvolver competências; as mulheres vêem-no como uma forma de conquistar objetivos mas não vêem os benefícios para si próprias – são desencorajadas de terem perspetivas “egoístas” desde muito cedo.”

Docking também acredita que é mais fácil para lésbicas esconderem a sua orientação sexual. “A questão é que as lésbicas podem ser invisíveis se quiserem esconder - como os americanos costumam dizer - podem “passar” por heterossexuais. A experiência dos colegas gays é que são visíveis – não conseguem fingir que não são e passar por heterossexuais.”

“Isto é o que eles dizem, não é uma perceção externa. É uma questão relacionada com a cultura e expressão gay e também como as pessoas tratam homens gay. Também é o resultado de uma investigação que desenvolvi em 2006 sobre homens gay no Ministério da Defesa. A situação tinha de melhorar e os homens gay (em geral) avançaram para resolver o assunto.”

Esta declarada falta de visibilidade de mulheres lésbicas e bissexuais traduz uma situação preocupante para jovens homossexuais. Com a educação sexual ainda muito deficiente nas escolas britânicas e o assunto ainda tabu em muitas famílias, os jovens olham para os media e para as celebridades para identificarem os seus sentimentos e procurar clarificação. Mas a falta de modelos significa que a sua exposição a lésbicas e mulheres bissexuais é limitada e, quando existe, muitas vezes não é realista e é unidimensional. Personagens ou celebridades masculinizadas, por exemplo, quase não existem no cinema, presumivelmente porque a maioria da sociedade ainda não consegue aceitar ou tolerar mulheres que não se conformem com noções preconcebidas de feminilidade.

“A sociedade normalmente lida melhor com histórias de lésbicas na televisão mais generalista – desde que as atrizes que desempenham os papéis sejam heterossexuais e, deste modo, isso ainda pode ser uma fantasia heterossexual, “diz Peace. “Geralmente, a televisão mais generalista não percebe bem o que são lésbicas.”

Como uma atriz lésbica assumida, sente que isto é um fardo? “Sinto que é uma responsabilidade”, diz ela. “E tem sido uma escolha deliberada aceitar essa responsabilidade. Quando comecei a série Lip Service, tomei a decisão de falar abertamente e responder a todas as questões acerca da minha orientação sexual. Não quero fazer parte do problema. Sinto-me bem acerca de mim mesma e, honestamente, nunca fui mais feliz.”

“Sinceramente, sinto que dei a muitas jovens lésbicas alguém com quem se identificar. E sim, penso que lésbicas querem saber quem é mesmo lésbica.”

Bindel diz que isto é um assunto que as mulheres lésbicas devem enfrentar e tomar consciência. “As mulheres heterossexuais não vão conduzir esta batalhar por nós. Temos de parar de desculpar as privilegiadas que podem manter-se no armário. Este é o pior tipo de exemplo para as jovens – a não ser que tenham uma boa desculpa para não se assumirem e terem orgulho.”

“Temos de ir e fazer a nossa parte. Temos todas responsabilidade. Se tivermos a sorte de termos um emprego, o apoio da companheira, dinheiro, estatuto social e por aí fora, temos a responsabilidade de lutar e de falar pelo bem de outras.

Cabe-nos a nós que temos um pouco de influência social. Devemos isso a outras como nós. Se não for assim, como é que as jovens vão saber o que é ser lésbica? Da família? Das amigas heterossexuais? De preconceituosos?”

Também afirma que para conquistar o assunto devemos reconhecer a influência do feminismo. “As ativistas pelos direitos das mulheres, algumas das quais eram lésbicas, lutaram pelos nossos direitos como mulheres – quer pelo direito de aceder ao aborto e ao voto como pelo direito de nos expressarmos livremente numa relação, homossexual ou não.”

Como deputada, James está sob escrutínio público mas mantém que a decisão de se assumir publicamente é uma decisão difícil em qualquer circunstância. “Tenho simpatia por todos aqueles que estão sob o olhar do público e que sentem que não se podem assumir. E não acredito que se deva forçar pessoas para que se assumam.”

Quando lhe perguntámos se se sentia como um modelo, James disse: “Não daria entrevistas como esta se não sentisse uma responsabilidade. O meu papel é muito absorvente e abrange muitas áreas, como negócios, saúde, emprego, etc, e uma grande parte do que faço é trabalhar para os meus constituintes. Mas encontro tempo para falar sobre questões da comunidade lésbica”.

Docking diz que no Ministério da Defesa não são apenas pessoas modelo que faltam, é também a variedade dentro delas: “Penso que as jovens podem perguntar-se se haverá lésbicas mais velhas que podem agir como modelos e também se são relevantes para a sua vida. Estava a falar com uma lésbica mais velha recentemente e ela perguntava-se se estaríamos nós mesmas a colocar barreiras e também se, quando envelhecemos, ficamos duplamente invisíveis. Não são apenas as jovens lésbicas que precisam de modelos, todas precisamos deles em todas as fases da nossa vida.

“Precisamos deles em todas as situações... Professoras, enfermeiras, cozinheiras, empregadas de balcão, somos todas lésbicas e temos vidas reais. Penso que a questão é saber porque queremos visibilidade e quem precisa ser visível – não só como o interesse romântico jovem numa novela para conquistar telespectadores.”

O acesso a modelos positivos, no entanto, é apenas uma forma de promover a visibilidade de lésbicas, na vida pública e privada.

“Para vencer o problema, precisamos de ser lésbicas no sentido político”, diz Bindel. “O único caminho para a mudança é levar mais pessoas que estejam incomodadas e que se interessem por lesbianismo a trabalharem nos media e na televisão. Precisamos de mais mulheres deputadas que tragam até ao Parlamento assuntos de mulheres.”

Bindel tem opiniões muito fortes acerca do que ela vê como uma falta de consciência política particularmente entre jovens lésbicas actualmente. “Vi o programa Candy Bar Girls na televisão e tudo o que vi foi puro hedonismo, cabeças de vento apolíticas.”, diz.

“Estas mulheres não percebem nada, isso é inaceitável. Precisamos de uma revolução. Levantem-se e façam alguma coisa política. Ainda não vencemos a batalha. Precisamos de ser políticas em relação ao lesbianismo.”

Aumentar o perfil de lésbicas é uma tarefa difícil de fazer, diz Peace. “Mas estamos a falar de mudanças legislativas que precisam ser feitas, como ensinar as nossas crianças nas escolas, a inclusão de personagens homossexuais em novelas e dramas, tantas coisas. Penso que há um grande problema em como as lésbicas são retratadas na imprensa e que isso vem da misoginia. Primeiro e acima de qualquer outra coisa
eu sou uma mulher.”

Parece que a questão da visibilidade é, ao mesmo tempo, reconhecida e preocupante para muitas lésbicas. No entanto, as razões e as soluções do problema são complexas. Não há um remédio rápido e óbvio para aumentar a visibilidade, a não ser impondo quotas em áreas públicas, o que seria impopular

Por isso devemos tomar uma abordagem mais lenta; conseguir um número mais elevado de mulheres e lésbicas no Parlamento, na televisão, em posições de poder e em áreas públicas. Devemos usar o nosso voto de forma sensata, e devemos apoiar aquelas lésbicas que são suficientemente corajosas para se terem assumido na vida privada e pública, principalmente aquelas que batalham pelos nossos direitos, lembrando que este não deve ser um trabalho deixado para as poucas que já carregam tanta responsabilidade.

Bindel diz que precisamos de uma “revolução”. Parece intangível, mas fazer parte disso é fácil: é só começar a falar. Falar sobre ser lésbica, falar sobre sexo, falar sobre relações, falar sobre sair do armário, falar sobre as nossas experiências como mulheres e como lésbicas. Precisamos de normalizar a palavra “lésbica”, deitar abaixo mitos e estereótipos sobre sexualidade e género, e, acima de tudo, tentar, onde possível, ser aberta e positiva, e não termos vergonha de nós mesmas, independentemente do que os outros possam pensar. Só então podemos, nós e o resto do mundo, ser reconhecidas, apoiadas e vistas.
[Tradução livre]

In PinkNews, 12 julho 2011, por Chloe Setter

 
logotipo do facebook logotipo do twitter logotipo do delicious
PESQUISAR NOTÍCIAS
NOTÍCIAS
2019
Julho
Janeiro
2018
Novembro
Outubro
Abril
Março
Fevereiro
2017
Dezembro
Novembro
Outubro
Julho
Junho
Maio
2016
Dezembro
Outubro
Agosto
Julho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2015
Dezembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
2014
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
2013
Dezembro
Novembro
Setembro
Agosto
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2012
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2011
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2010
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
2009
Novembro
Contacto e Sugestões | Avisos Legais | English