Noticias

logo ILGA

Notícias: Internacionais

Jackie era Jack e pode ser Miss Inglaterra
2012-03-16
Jackie era Jack e pode ser Miss Inglaterra

 Quando tinha quatro anos, Jack disse à mãe que Deus tinha cometido um erro e aos 13 anos começou a tentar corrigi-lo. Na prática, estava a corrigir-se a si. “ Até fazer a operação de mudança de sexo tinha nojo do meu corpo. Tomava duche com roupa interior porque não queria olhar para ele. Cheguei a um ponto em que tinha ganho muito peso porque tinha uma auto-estima miserável”, afirma.

Ao princípio, a mãe, Susie, pensou que era apenas uma fase e deixou-o pôr os calções na cabeça como se fosse uma peruca, brincar com bonecas e usar a sua roupa, mas depois de várias tentativas de suicídio e uma de automutilação genital, percebeu que era muito mais do que isso. Jackie só oferecia duas alternativas à mãe: ter uma filha ou ter um filho morto.

As directrizes do Reino Unido relativas à mudança de sexo ditam que só com 16 anos é possível iniciar o tratamento com bloqueadores de hormonas. Com 13 anos, Jackie já sentia o corpo a mudar e queria travá-lo. Daí que com a mãe a seu lado, tenha viajado até aos EUA para contornar a legislação e começar o tratamento. “Aos 16 anos seria tarde demais. Não queria desenvolver uma maçã-de-adão nem voz grossa e, por isso, não podia esperar”.

Incapaz de viver uma vida normal num corpo que não reconhecia como seu, saiu novamente de Leeds, onde mora com a mãe e os irmãos, mas desta vez com a Tailândia como destino. Para pagar a operação de mais de 16 mil euros, Susie, mãe de mais três filhos, hipotecou a casa. Na Tailândia, onde não é necessário ter 18 anos para mudar de sexo, a operação durou sete horas. No dia do seu 16ª aniversário, Jackie saiu do hospital de cadeira de rodas com “uma enorme sensação de alívio. Finalmente o exterior reflectia o meu interior”. Ao recordar todo o processo que a conduziu até à pessoa que é hoje, Jackie faz questão de sublinhar que não se tratou de um capricho: “O tratamento e a cirurgia [para mudar de sexo] não eram coisas que eu quisesse. Eram coisas de que eu precisava. Sem elas , teria morrido. Se não o pudesse fazer ter-me-ia suicidado”, afirma desde Leeds, onde se prepara para participar em mais um desfile de moda.

Uma vez por ano, o sucesso televisivo Britain and Ireland’s Next Top Model tem um dia aberto onde as pessoas podem experimentar o estilo de vida de uma modelo assistindo a desfiles de moda, actuações de música e participando na festa ao lado de celebridades. Tendo o sonho de ser modelo profissional, Jackie estava lá com amigos a ver os desfiles quando foi abordada pela organização do concurso Miss Inglaterra. “Perguntaram-me se não queria tirar umas fotos e ter a possibilidade de ser concorrente ao título. Claro que disse que sim e umas semanas depois recebi uma carta a dizer que tinha sido seleccionada. Fiquei muito feliz!”. Jackie tinha agora 18 anos, uma figura feminina e esbelta, e nas costas todo um passado de bullying violento. “Tive um grupo de homens na casa dos 40 anos que me espancaram no beco atrás da minha casa. As pessoas cuspiram-me e chamaram-me nomes”. Uma experiência que faz de Lady Gaga, que criou uma fundação para lutar contra obullying, a Born This Way, a sua grande ídolo. Jackie também quer evitar que outras pessoas passem pelo que ela passou e por isso, em desfiles de moda e outros eventos, dá a conhecer a fundação que a ajudou a ela e à sua família a lidar com ser uma mulher encerrada no corpo de um menino. A Mermaids, uma organização que apoia jovens com problemas de identidade de género e suas famílias, conta actualmente com o apoio activo tanto de Jackie, que é embaixadora, como de Susie, que preside à associação.

No concurso de beleza inglês, que se divide numa série de etapas até chegar à final, Jackie foi a mais votada pelo público na página da Miss Inglaterra. Quando lhe perguntamos se o facto de ter mudado de sexo pode ter alguma influência no decorrer do concurso de beleza, a resposta é assertiva: “Não gosto da ideia de estar a avançar no concurso por ser um transexual, porque essa é a peça mais pequena do puzzle. Sou uma filha, irmã, actriz, cantora antes de ser uma transexual”. Para Jackie, o facto de a organização do concurso não saber da sua história quando a convidou a entrar no casting para Miss Inglaterra só prova que ela merece estar na competição. “Quatro ou cinco semanas depois de ter sido seleccionada é que eles [a organização] souberam. Ficaram chocados porque eu não parecia um rapaz”. E quando souberam, mudou alguma coisa? “Não. Sou uma mulher. Mereço estar aqui. Quero mostrar às pessoas que os transexuais não são monstros. Somos pessoas iguais a qualquer outra e só queremos ter uma vida normal e ser felizes”.

No final de Março, Jackie desfila na Modelzed, onde a vencedora desta etapa ganha um lugar entre as finalistas do concurso Miss Inglaterra 2012. A final está agendada para 22 de Abril, no hotel Colwick Hall, em Nottingham.

in life&style (Público), 16 março 2012

 
logotipo do facebook logotipo do twitter logotipo do delicious
PESQUISAR NOTÍCIAS
NOTÍCIAS
2019
Julho
Janeiro
2018
Novembro
Outubro
Abril
Março
Fevereiro
2017
Dezembro
Novembro
Outubro
Julho
Junho
Maio
2016
Dezembro
Outubro
Agosto
Julho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2015
Dezembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
2014
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
2013
Dezembro
Novembro
Setembro
Agosto
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2012
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2011
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2010
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
2009
Novembro
Contacto e Sugestões | Avisos Legais | English